Faturamento do comércio de BH ganha novo fôlego

Página Inicial / Notícia / Economia / Faturamento do comércio de BH ganha novo fôlego
O Dia das Mães, segunda melhor data do comércio varejista, foi responsável pelo aumento do faturamento dos empresários de Belo Horizonte em maio, em relação a abril. A conclusão é da Análise Mensal do Comércio Varejista, realizada pela equipe de Estudos Econômicos da Fecomércio MG.

Conforme o estudo, 37,9% dos empresários melhoraram o faturamento, 16,9 pontos percentuais (p.p.) acima do apurado no mês anterior. Segundo o economista da Fecomércio MG, Guilherme Almeida, um aumento de aproximadamente 16% no faturamento foi proporcionado pelo grande volume de vendas alavancado pelo Dia das Mães. Os três segmentos que mais faturaram foram vestuário (+11,3%), calçados (+ 4,6%) e hipermercados e supermercados (+ 2,7%).

Para aumentar as vendas no período, 69,8% do empresariado realizou liquidações e promoções, número que deve aumentar no próximo mês, uma vez que 74,2% pretendem adotar essa estratégia.

Apesar da expressiva evolução no faturamento, o resultado das vendas ficou abaixo do esperado, uma vez que 63,1% do empresariado acreditava que haveria um aumento. Ao todo, 57,5% dos entrevistados terminaram o mês com um faturamento melhor ou igual em relação a abril deste ano, marca que ficou abaixo do mesmo período no ano anterior, de 74,2%.

Em junho, o setor de vestuário e de produtos alimentícios são os mais promissores para uma elevação nas vendas, impulsionados pelos produtos ligados às festas juninas.

Uso do cartão de crédito para compras a prazo aumenta

Aceito por 97,9% dos empresários consultados, o cartão de crédito vem sendo apontado pelos estudos da Fecomércio MG como uma das formas de pagamento mais usadas pelos consumidores. De acordo com a última Análise Mensal do Comércio Varejista, esse meio de pagamento aumentou 4,6 p.p. em maio, frente a abril, atingindo 73,3% do total de vendas a prazo, maior número de 2015.

Em contrapartida, o cheque pré-datado teve queda de 4,1 p. p., chegando a 15,5%. Entre os empresários, 71,6% não aceitam cheques para evitar a inadimplência.

Postagens Recentes