Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras

Página Inicial / Notícia / Economia / Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras

As capitais da região Sudeste apresentaram uma intensa redução na proporção de famílias endividadas entre 2013 e junho de 2016. A informação é da 6ª Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras, divulgada pela FecomercioSP. O destaque vai para Belo Horizonte, cujo percentual passou de 48% em 2013 para 38% em junho de 2016, posicionando BH entre as cinco capitais com menor taxa de famílias endividadas. Em Vitória (ES), 67% das famílias têm algum tipo de dívida, acima da média nacional (58%), enquanto em São Paulo (SP) essa proporção é de 49% e no Rio de Janeiro (RJ) atingiu 58% em junho de 2016.

Nos últimos quatro anos de apuração, a capital do Espírito Santo ocupou o topo do ranking de famílias endividadas no Sudeste em três oportunidades, sendo 2015 o único ano que foi superada pelo Rio de Janeiro (67%). Apesar da liderança, Vitória vinha de uma trajetória de quedas na proporção de famílias endividadas até o ano passado, registrando 75% em 2013, 73% em 2014 e 65% em 2015, mas voltou a crescer em junho deste ano com 67%.

A pesquisa, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), contempla dados de 2013 ao primeiro semestre de 2016 com base em informações do Banco Central do Brasil, do IBGE e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A capital capixaba tem a maior média mensal de dívida por família, de R$ 3.222, mais do que o dobro das capitais brasileiras (R$ 1.569), e o mesmo valor real apurado em dezembro de 2013. Todas as demais capitais da região Sudeste apresentaram valores acima da média brasileira em junho de 2016: Belo Horizonte (R$ 2.068) – quarta maior no ranking nacional –, São Paulo (R$ 1.799) e Rio de Janeiro (R$ 1.622).

Em relação às famílias com dívidas em atraso, mais uma vez a capital mineira se destaca, pois além de apresentar a segunda menor proporção de famílias inadimplentes no ranking nacional, foi a única capital do Sudeste que apresentou retração nessa taxa entre 2014, ano em que os sinais da crise ficaram mais evidentes, e 2016, passando de 19% para 16%. Nesse mesmo período comparativo, essa proporção subiu de 21% para 29% no Rio de Janeiro e de 21% para 26% em Vitória. Apesar do aumento de 11% para 18% observado em São Paulo, a capital paulista permaneceu abaixo da média nacional de famílias com contas em atraso (23%) em junho de 2016.

Todas as capitais do Sudeste apresentaram um nível de comprometimento da renda com dívidas em torno de 30%, patamar considerado adequado para a Federação para não sinalizar um risco de elevação de inadimplência. Ainda nesse quesito destaca-se o aumento de oito pontos porcentuais na parcela da renda comprometida com dívidas das famílias de Vitória, que passou de 22% em dezembro de 2015 para 30% em junho de 2016. Completam a lista: Belo Horizonte (31%), Rio de Janeiro (31%) e São Paulo (29%).

Em relação às operações de crédito no país, a região Sudeste abriga 42,2% das famílias brasileiras e concentra 46,6% do volume de crédito nacional. Na capital de São Paulo, que naturalmente detém o maior volume de dívidas por ter a maior população do país, o montante em junho de 2016 – do total da dívida das famílias – alcançou R$ 3,4 bilhões mensais em média, apenas 0,3% maior, em termos reais, que o volume de dívidas registrado em dezembro de 2013.

O número de famílias endividadas caiu 7,5% e passou de cerca de 2,04 milhões para 1,89 milhões, respectivamente, entre essas datas. Já a dívida média mensal dos paulistanos atingiu R$ 1.799 em junho passado, com aumento real de 8,4% ante dezembro de 2013. O crescimento real de 4,3% no rendimento médio em São Paulo sustentou essa elevação, fazendo com que a relação dívida/renda permanecesse praticamente estabilizada nos últimos anos, situando-se em 29% em junho passado.

Região Sudeste (Junho de 2016)

1 – Número de famílias endividadas (percentual)

Vitória/ES – 79.974 (67%)

Rio de Janeiro/RJ – 1.294.260 (58%)

São Paulo/SP – 1.890.447 (49%)

Belo Horizonte/MG – 312.714 (38%)

 

2 – Parcela da renda mensal comprometida com dívidas

Rio de Janeiro/RJ – 31%

Belo Horizonte/MG – 31%

Vitória/ES – 30%

São Paulo/SP – 29%

 

3 – Valor médio de dívida por família

Vitória/ES – R$ 3.222

Belo Horizonte/MG – R$ 2.068

São Paulo/SP – R$ 1.799

Rio de Janeiro/RJ – R$ 1.622

 

4 – Percentual de famílias com dívidas em atraso

Rio de Janeiro/RJ – 29%

Vitória/ES – 26%

São Paulo/SP – 18%

Belo Horizonte/MG – 16%

 

5 – Número de famílias

São Paulo/SP – 3.861.255

Rio de Janeiro/RJ – 2.239.189

Belo Horizonte/MG – 813.730

Vitória/ES – 119.957

 

6 – Renda Média (R$)

Vitória/ES – 10.901

Belo Horizonte/MG – 6.713

São Paulo/SP – 6.134

Rio de Janeiro/RJ – 5.151

 

7 – Massa de rendimentos (R$)

São Paulo/SP – 23.686.393.595

Rio de Janeiro/RJ – 11.534.030.805

Belo Horizonte/MG – 5.462.790.760

Vitória/ES – 1.307.702.002

 

8 – Participação da massa de rendimentos no total Brasil (%)

São Paulo/SP – 13,7%

Rio de Janeiro/RJ – 6,6%

Belo Horizonte/MG – 3,1%

Vitória/ES – 0,7%

Postagens Recentes