Varejo da construção espera melhor faturamento no 1º semestre

Página Inicial / Notícia / Economia / Varejo da construção espera melhor faturamento no 1º semestre
A maioria dos empresários do comércio de materiais de construção (71,7%) acredita que o faturamento do primeiro semestre será superior ao segundo semestre de 2018. É que aponta uma pesquisa do Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Material de Construção, Tintas, Ferragens e Maquinismos de Belo Horizonte e Região (Sindimaco BH e Região), em parceria com a área de Estudos Econômicos da Fecomércio MG. A análise foi realizada na capital mineira e nas cidades de Betim, Confins, Contagem, Lagoa Santa, Nova Lima, Pedro Leopoldo, Ribeirão das Neves, Sabará, São José da Lapa e Vespasiano.

Esse número reflete o otimismo dos empresários do setor frente ao cenário econômico mais favorável, com a inflação controlada, juros em queda, retomada do emprego e melhores condições de financiamento. “Contribui ainda para essa avaliação o bom desempenho do segmento no Brasil e em Minas que, no último ano, apresentou crescimentos de 3,5% e de 4,7%, respectivamente, no volume vendido”, avalia o economista da Federação, Guilherme Almeida.

Almeida ainda destaca o desempenho das vendas no segundo semestre de 2018, período no qual 33,8% dos empresários relataram um faturamento superior em relação ao primeiro semestre do último ano. Porém, na comparação com o mesmo período de 2017, quase 40% afirmaram que os resultados alcançados ficaram aquém.

Já o percentual de empresas que viram o faturamento se manter ou aumentar em relação ao primeiro semestre de 2018 atingiu 71,1%. Esse resultado impactou a saúde financeira desses estabelecimentos, sendo que 68,6% viram a situação do negócio se manter ou melhorar nos últimos seis meses do ano. Para o primeiro semestre de 2019, a perspectiva é que as finanças do estabelecimento melhorem em relação ao período anterior para 87,4% dos entrevistados.

Para alcançar esses resultados, 51,9% irão realizar promoções e liquidações. “No início do ano, os consumidores estão atentos às oportunidades, comparando preço e qualidade, otimizando assim seu poder de compra. Essa movimentação permite que o empresário gire os estoques dos artigos e fortaleça o caixa da empresa para a compra do novo mix de produtos”, explica o economista.

Perspectivas de emprego

Os bons resultados esperados para o primeiro semestre devem se converter na geração de postos de trabalho nas empresas. O levantamento indica que 96,5% devem manter ou aumentar o quadro de funcionários neste período, uma melhora de quase 16 pontos percentuais em comparação ao semestre anterior (80,6%). Atualmente, 74,9% das empresas desse segmento integra o segmento de ferragens, madeiras e materiais de construção, enquanto 77,3% possuem até nove colaboradores em seu quadro de funcionários, sendo caracterizadas como microempresas.

Cautela do setor

O quadro positivo captado pela pesquisa, no entanto, ainda não foi percebido por representantes do varejo de materiais de construção. O presidente do Sindimaco BH e Região, Júlio Gomes Ferreira, acredita que, apesar das expectativas de crescimento, até o momento, não há indícios de melhora nas vendas do segmento. “Houve uma grande euforia com a eleição dos governos estadual e federal e dos benefícios que viriam por meio deles, principalmente, com a aprovação das reformas da Previdência e Tributária. Entretanto, não sinto que o setor está se reaquecendo; sinto que os empresários ainda estão cautelosos e analisando o atual cenário político e econômico”, observa.

Para o presidente da Associação do Comércio de Materiais de Construção (Acomac MG), Paulo Castro, os ares de mudança trazidos pelos novos governantes já foram absorvidos pelo mercado, embora ainda sustentem certo otimismo. Contudo, parte dos empresários entende que a mudança no cenário econômico neste ano se dará de forma gradual, em médio e longo prazo, inclusive no setor de construção.

Sobre a pesquisa

A “Análise do Comércio Varejista – Materiais de Construção 1º semestre/2019” apresenta o desempenho dos negócios do segmento no segundo semestre do ano de 2018 e identifica as expectativas dos empresários para o primeiro semestre de 2019. A pesquisa é um instrumento importante para a compreensão dos movimentos do comércio de materiais de construção, por meio de uma leitura prospectiva de seu desempenho. A pesquisa foi realizada entre os dias 14 e 22 de janeiro de 2019, com 344 empresas. A margem de erro da pesquisa é 5 pontos percentuais.

Postagens Recentes