Como usar o cartão de crédito de forma consciente

Página Inicial / Notícia / Economia / Como usar o cartão de crédito de forma consciente

Fazer as compras do mês, adquirir eletroeletrônicos, pagar boletos atrasados. São muitas as opções de uso do cartão de crédito, embora nem todas sejam as mais adequadas à modalidade. De acordo com dados do Banco Central, essa forma de pagamento possui uma das maiores taxas do mercado. Não à toa, o juro médio do rotativo do cartão de crédito atingiu 300,1% ao ano no fim do 1º semestre.

A tendência a assumir compromissos financeiros nessa modalidade foi confirmada, em Belo Horizonte, por um indicador elaborado pela Fecomércio MG. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de julho, 86,8% dos consumidores da cidade pagaram contas usando o cartão crédito. Mas, esse meio de pagamento não traz apenas facilidades.

Segundo a economista da Federação, Bárbara Guimarães, apesar de possibilitar a quitação em parcelas que melhor se encaixam nas finanças mensais, o cartão de crédito exige cuidados. Por isso, no mês que marca o Dia do Cliente (15/09), a Fecomércio MG apresenta sete dicas para ajudá-lo a usar essa modalidade com consciência.

Use com moderação
Fique atento aos seus limites orçamentários. O ideal é planejar a compra desejada para que ela não se transforme em um problema futuro. “As pessoas, infelizmente, confundem o meio de pagamento como prolongamento da renda. Assim, usam o cartão de crédito de forma indiscriminada e descontrolada para a aquisição de uma série de bens e serviços, sem acompanhar seus vencimentos”, alerta Bárbara.

Atenção à data de vencimento
A economista da Federação também sugere que a pessoa escolha a data de fechamento da fatura que mais lhe convém. “Se você recebe o salário no dia 10, escolha o dia 20 para o vencimento. A administradora fechará o boleto antes, o que não o colocará em risco de inadimplência, caso o seu pagamento atrase.”

Confira todos os gastos
Fez as compras, pegou o comprovante de pagamento e jogou fora? Saiba que é preciso checar todos os gastos, linha por linha, para evitar alguma possível cobrança indevida. Além disso, segundo Bárbara, é sempre bom estar atento a algum serviço que você assina e não utiliza mais e à ordem de importância de gastos. Assim, caso precise eliminar alguma despesa, ficará mais fácil detectá-la.

Nunca esqueça de pagar
Se você é daquelas pessoas que não se recorda de todas as contas a pagar, uma opção para evitar juros e multas é colocar a fatura em débito automático. Mas, se você não deseja optar por essa facilidade, a economista da Federação adverte: mapeie, ao menos uma vez por mês, os gastos que você fez nessa modalidade.

Evite acumular cartões
Ter mais de um cartão de crédito é desnecessário. Para Bárbara, concentrar os gastos em apenas um cartão de crédito traz mais controle às finanças, facilita o controle dos gastos e evita a sensação de prolongamento da renda.

Parcele o mínimo que puder
Como os juros desse meio de pagamento estão entre os mais altos do mercado, pague, sempre que possível, a integralidade da fatura e evite muitas parcelas. “Se o consumidor pagar apenas o mínimo, que representa 15% do total, ele entra no crédito rotativo, que é uma das modalidades mais caras do mercado. Nesse caso, o débito pode dobrar em menos de seis meses.”

Busque por vantagens
Fique de olho se, em outras administradoras, há algum cartão que te dê mais vantagens, não tenha anuidade e lhe ofereça programas de pontos. “Além disso, saiba quanto você paga por cada serviço e negocie a isenção da cobrança. Mas não transforme isso em um motivo para gastar mais”, ressalta Bárbara.

Postagens Recentes