Minas Gerais tem saldo positivo na abertura de lojas

Página Inicial / Notícia / Economia / Minas Gerais tem saldo positivo na abertura de lojas
Pelo terceiro semestre seguido, houve expansão no número de lojas abertas no varejo brasileiro. Entre janeiro e junho, o incremento foi de 3.328 unidades. Minas Gerais, por sua vez, registrou a abertura de 524 estabelecimentos comerciais no período. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que até dezembro serão abertas 5,4 mil lojas no país, totalizando 8,7 mil novos pontos comerciais com vínculos empregatícios em 2019.

Apesar do saldo positivo no primeiro semestre deste ano, o ritmo de expansão do número de pontos de vendas apresentou desaceleração frente aos dois últimos períodos (4.999 na primeira parte de 2018 e 6.730 nos últimos seis meses do ano). Segundo o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes, o resultado mais recente é “reflexo do fraco nível de atividade da primeira metade de 2019”.

No caso da intenção de investimento de varejistas – referente à ampliação ou à abertura de lojas –, o mês de setembro de 2019 aparece com o melhor resultado (45,8%) dos últimos quatro anos em comparação com o mesmo mês. Os empresários do Amapá (65,7%), Tocantins (59,3%) e Rondônia (58,0%) registraram maior propensão a investir no setor.

Dentre os pontos de venda inaugurados no primeiro semestre de 2019 se destacam os segmentos de hiper e supermercados (+2.716); lojas de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (+450); e farmácias, drogarias e perfumarias (+397). A abertura de lojas ocorreu em seis dos dez segmentos do varejo. Os estabelecimentos especializados na venda de materiais de construção foram os que mais fecharam as portas (-456).

A abertura de estabelecimentos comerciais foi verificada em 14 estados do país, com destaque para São Paulo (+1.134); Paraná (+713); Mato Grosso (+576); Santa Catarina (+554); e Minas Gerais (+524). Por outro lado, Rio de Janeiro (-110); Bahia (-260); Ceará (-313) foram os que mais registraram fechamento de estabelecimentos.

Especificamente em relação às vendas, a CNC projeta, para 2019, crescimento de 4,6% (em 2018, houve avanço de 5,0%). “O saldo entre aberturas e fechamentos de estabelecimentos tende a acompanhar a evolução das vendas, mesmo que com alguma defasagem”, ressalta Fabio Bentes, economista da Confederação.