A “capital brasileira dos bares” foi reconhecida em todo o mundo, nesta quarta-feira (30/10), por sua excelência na gastronomia. Belo Horizonte ganhou o título de Cidade Criativa da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), após o Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty) ter indicado a cidade em junho deste ano. A Fecomércio MG participou do processo de construção coletiva do dossiê que confirmou a candidatura local.

Além da capital mineira, outras três cidades brasileiras também integraram de indicações: Cataguases, na Zona da Mata Mineira, pela referência em cinema; Aracaju, em Sergipe, pela área da música; e Fortaleza, no Ceará, no setor de design e moda. As escolhas foram enviadas a Paris, na França, no dia 29 de junho, onde ocorreu a seleção das cidades criativas.

A Rede de Cidades Criativas da Unesco é uma plataforma reúne vários destaques mundiais nos quesitos economia criativa em artesanato e artes folclóricas, design, gastronomia, cinema, literatura, música e artes midiáticas. Apenas 21 cidades no mundo haviam recebido o reconhecimento dessa organização por sua culinária, como Parma, na Itália, e San Antonio, nos Estados Unidos.

Diferenciais de BH

Para conquistar o título de “cidade criativa da Unesco”, Belo Horizonte apostou no seguinte tripé: festivais de gastronomia, ‘cultura de boteco’ e cadeia produtiva do segmento, responsável por gerar mais de 54 mil postos de trabalho e cerca de R$ 4,5 bilhões por ano. Além disso, a capital mineira sintetiza os chamados territórios gastronômicos de Minas.

De acordo com a analista de turismo da Fecomércio MG, Milena Soares, a seleção de Belo Horizonte abrirá diversas portas para novos negócios e projetos nacionais e internacionais. A provável escolha também permitirá à cidade compartilhar das melhores práticas e políticas públicas sustentáveis e de inclusão social. Com isso, aumentam as chances de a atividade turística na cidade se fortalecer graças à gastronomia, que seria mais uma de suas expertises mundialmente reconhecida.

Criatividade como objetivo

Criada em 2004, a rede de Cidades Criativas da Unesco promove a cooperação entre as cidades que têm a criatividade como estratégia para alcançar Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), previstos pela Organização das Nações Unidas (ONU). A rede trabalha para colocar a indústria criativa e cultural no centro dos planos de desenvolvimento locais e para cooperar ativamente em nível nacional e internacional por meio de parcerias entre os componentes da rede.

Atualmente, o projeto conta com mais de 180 cidades em todos os continentes 72 países, sendo dez brasileiras: Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), no campo da gastronomia; Brasília (DF), Curitiba (PR) e Fortaleza (CE), no design; João Pessoa (PB), em artesanato e artes folclóricas; Salvador (BA), na música e Santos (SP), no cinema.

Postagens Recentes