Apesar do cenário econômico brasileiro instável nos primeiros meses de ano, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) de Belo Horizonte variou positivamente pelo sete mês seguido, alcançando 127,3 pontos. Esse é o maior patamar alcançado pelo indicador desde 2017. O resultado, que permanece acima da fronteira do otimismo (100 pontos), supera em 3,4 pontos percentuais (p.p.) o obtido em janeiro (123,9 pontos). O Icec é elaborado pela Fecomércio MG, com dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O cenário de otimismo deve ser mantido ao longo dos próximos meses, de acordo com o economista-chefe da Federação, Guilherme Almeida. “Uma série de mudanças estão sendo pautadas pelo governo, que espera pela aprovação das reformas estruturais que beneficiarão o país. Por isso, para planejar novos investimentos, os empresários aguardam a consolidação dessas propostas”, avalia.

A pesquisa Icec reflete as perspectivas em relação ao futuro da economia, do comércio e das empresas atuantes, antecedendo assim aos resultados nas lojas. O indicador serve de referência para decisões relativas ao desenvolvimento local, como os investimentos e a geração de novos empregos.

Segundo Almeida, o Índice de Condições Atuais do Empresário do Comércio (Icaec), um dos subindicadores que compõem o Icec, foi o fator que mais contribuiu para o aumento da confiança. Para a maioria dos empresários do setor, a condição da economia melhorou (64,2%). Esse percentual é ainda maior em empresas de grande porte, chegando a 90,9%. Em relação às condições atuais do setor, mais de 60% perceberam um cenário mais favorável.

O outro item que apresentou elevação, no mesmo período, foi o Índice de Expectativa do Empresário do Comércio (Ieec), que sinaliza as impressões do setor em relação aos próximos meses. Esse subindicador atingiu 159 pontos, resultado diretamente associado à confiança dos entrevistados na evolução da economia brasileira (92,6%), na expansão do setor (93%) e no crescimento das vendas da própria loja (95,1%).

Por fim, o Índice de Investimento do Empresário do Comércio (Iiec) – que retrata os planos de melhoria na loja, de ampliação de estoques e do quadro de funcionários – atingiu 109,5 pontos em fevereiro. Como destaque do subindicador está a projeção na ampliação do quadro de funcionários, item apontado por 69,1% dos entrevistados. Já 42,3% dos empresários afirmaram que os investimentos na empresa estão ligeiramente superiores.

Elaborado mensalmente, o Icec é realizado com mil empresários de Belo Horizonte, possui margem de erro de 3,5% e um intervalo de confiança de 95%.

Postagens Recentes