Como abrir um negócio com pouco dinheiro mesmo para iniciantes

Página Inicial / Como abrir um negócio com pouco dinheiro mesmo para iniciantes

Como começar um negócio do zero com pouco dinheiro? Essa é a pergunta de um milhão de dólares! Digo, de mil reais, já que a proposta é que ele seja aberto com baixo investimento.

Brincadeiras à parte, abrir um empreendimento com pouco dinheiro é possível, desde que haja a combinação de uma boa ideia, demanda real e ‘gordura em potencial’, ou seja, uma lucratividade interessante para que o negócio faça sentido para o empreendedor de pequeno porte.

Outro detalhe importante: a fórmula básica e essencial de qualquer negócio precisa estar presente desde o princípio. Trata-se de L = R – C (Lucro = Receita – Custos). Quanto maior for o R de receita e menor for o C de custos, mais L de Lucro ou ‘gordura’ vai sobrar para o dono do empreendimento.

Entendido esse princípio, quero te contar algo surpreendente. Acredite, há muitos empresários experientes que se perdem nesta fórmula básica no dia a dia de seu negócio. É preciso atentar-se para um problema muito comum entre principiantes:

“Pode ser difícil abrir um negócio com pouco dinheiro pela dificuldade de enxergar oportunidades viáveis.”

Crenças e limitações

Pessoas que nunca empreenderam costumam se deparar com barreiras geradas por crenças internas e externas, que acabam desencorajando a abertura do primeiro negócio. São elas o medo, as oportunidades ‘ocultas’ e o investimento além das possibilidades.

O medo é a barreira mais citada pelos candidatos a empreendedor, talvez a mais difícil de vencer. Sabemos que há valores culturais a respeito do trabalho, profundamente incorporados na cultura brasileira, especialmente na classe média. Esses valores são segurança, estabilidade e ‘garantia’, três princípios universais totalmente contrários ao fator risco, que envolve criar um negócio.

Sabemos também que tais fatores têm sido cada vez menos alcançáveis no mundo do trabalho, pelas mudanças nas políticas públicas que, provavelmente, afetarão ainda mais os servidores públicos, os trabalhadores de empresas privadas e até mesmo os autônomos.

Já ouvi muitas pessoas dizerem que têm vontade de abrir um negócio próprio, mas que o medo é paralisante. A raiz disso está nas crenças construídas ao longo várias gerações e no desconhecimento da ciência do empreendedorismo, que poderia – e deveria – ser ensinado na escola.

Oportunidades ‘ocultas’

Seja onde for, não faltam oportunidades de negócio em nosso país. Fora raras exceções (que não tornam nada impossível), há praticamente em todo lugar uma oportunidade para empreender, até mesmo nas cidades pequenas.

Mesmo assim, é comum as pessoas terem dificuldade de enxergar um problema como oportunidade. É como se as oportunidades estivessem ‘invisíveis’, ‘ocultas’ no campo de visão de alguns.

Quando a mentalidade coletiva é criada para ‘correr dos riscos’ em vez de ‘correr risco’, o resultado não pode ser diferente. Afinal, ideias de negócio preferem ambientes criativos.

Investimento inicial baixo, mas além das possibilidades

No mercado brasileiro vemos várias ofertas de negócios com baixo investimento inicial. No entanto, o orçamento necessário ‘foge’ das possibilidades de muitos interessados.

Há também negócios com investimentos iniciais baixíssimos, mas que, por endividamento ou outros fatores financeiros, acabam deixando o empreendedor com receio de assumir o risco e uma nova dívida, mesmo que pequena.

Para esses casos há uma saída: montar um negócio que se baseie apenas na venda de algum conhecimento que seja de real domínio do empreendedor.

Por exemplo, algum tipo de instrução, orientação, consultoria, aula, coaching, adestramento, tutoria, acompanhamento ou outro tipo de negócio em que a matéria-prima seja realmente barata.

Crenças ainda causam bloqueiam

A pergunta que pouca gente se faz é: por que estas três barreiras atrapalham tanta gente no Brasil? A resposta: a ausência de educação empreendedora limita a visão das pessoas para boas oportunidades que existem em todo lugar, não só no âmbito profissional, mas também na vida pessoal. Com isso, as pessoas acabam travando sua vida.

Se você já leu outros artigos neste site sabe que acredito na força dos métodos. E, mais uma vez, digo que para mudar essa realidade é preciso seguir uma metodologia que ajude a identificar, criar e validar um pequeno negócio iniciante.

* Daniel Bizon (www.danielbizon.com.br)

Daniel Bizon