A Receita Federal divulgou, na última semana de outubro, a carga tributária incidente em 2014. De toda a riqueza produzida no Brasil no ano passado, 33,47% foram pagos em impostos. Esse resultado foi 0,27 ponto percentual (p.p.) inferior ao observado em 2013. De acordo com a Receita, a redução da carga concentrou-se na União (-0,35 p.p.). “Esse recuo é fruto das desonerações promovidas pelo governo a setores específicos. Além disso, o baixo desempenho da indústria e do comércio influenciou o percentual”, avalia o economista da Fecomércio MG, Guilherme Almeida.

De janeiro a setembro de 2015, mesmo com os aumentos de impostos promovidos pelo governo, a arrecadação foi, aproximadamente, 4% inferior em relação à observada no mesmo período de 2014. “A forte desaceleração da atividade econômica contribuiu significativamente para essa queda. Os efeitos das desonerações ainda são observados no resultado de arrecadação. Uma recuperação dessa receita só é possível com a melhoria da atividade e das expectativas dos agentes”, afirma.

O economista destaca ainda que o fraco desempenho da arrecadação apontado pela Receita impacta diretamente a meta fiscal fixada pelo governo, forçando-o a revisar o cumprimento do superávit fiscal para baixo. Conforme a Casa Civil, 2015 poderá apresentar um déficit de R$ 50 bilhões.

Postagens Recentes