De acordo com a Pesquisa Mensal do Emprego, divulgada em fevereiro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego atingiu, em janeiro, 7,6% para o conjunto das seis regiões metropolitanas pesquisadas*. Quando comparado ao mês anterior, dezembro, o índice aumentou 0,7 ponto percentual (p.p.). Em relação a janeiro de 2015, a taxa subiu 2,3 p.p. A população desempregada aumentou 42,7% em relação ao mesmo período de 2014, totalizando 2 milhões de pessoas.

O economista da Fecomércio MG, Guilherme Almeida, destaca que a dificuldade em se recuperar a economia impacta diretamente os indicadores de emprego e renda. “Apesar de ser um movimento historicamente comum (taxas de desemprego mais altas em janeiro devido às dispensas dos funcionários temporários), o ritmo de atividade ainda se encontra muito baixo. Todos os setores têm sido afetados com esse cenário.”

Em Belo Horizonte, o índice de desocupação chegou a 6,9%, resultado 1,0 p.p. maior que o observado em dezembro (5,9%), e 2,8 p.p. maior do que no mesmo período de 2015. O rendimento médio real do município foi 0,5% maior que o mês anterior e 9,4% menor que janeiro do ano passado, totalizando R$ 2.006,70. “Vale ressaltar que, em 2015, a inatividade aumentou. Sendo assim, parte da população não está empregada e nem procura por emprego, não entrando, portanto, na contagem de desempregados segundo a metodologia do IBGE”, pontua o economista.

*As seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE foram: Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Acesse a pesquisa na íntegra por meio deste link.

Postagens Recentes