Ao longo das últimas semanas, inúmeras medidas protetivas foram adotadas para mitigar o avanço do novo coronavírus. Em todo o país, até o dia 8 de abril, foram contabilizados mais de 14 mil casos confirmados de Covid-19, com 719 mortes. Em Minas Gerais, já são 614 casos e 14 mortes pela doença. Seguindo as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde (OMS), diversas atividades empresariais foram paralisadas, o que levará milhões de pessoas a requererem auxílios do governo para enfrentar a pandemia.

Essa parcela de beneficiados ainda não compreende um número significativo de famílias em vilas e aglomerados do Brasil. Segundo uma pesquisa recente do Instituto Data Favela, 47% das 13,6 milhões de pessoas que moram em favelas no país são profissionais autônomos e sofrem com os efeitos causados pela paralização das atividades. Muitas não estão no Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). São milhares de famílias que precisam de ajuda para enfrentar esse difícil cenário.

Por isso, a Central Única das Favelas (Cufa) criou uma ação humanitária em âmbito nacional, com a adesão de grandes artistas e a parceria de entidades. O objetivo é arrecadar recursos que serão destinados às famílias moradoras das vilas e aglomerados brasileiros. Em Minas Gerais, a ação é inovadora e utiliza ferramentas digitais para arrecadação e distribuição dos recursos sem a necessidade de contato entre as pessoas.

A Fecomércio MG, atenta os desdobramentos do avanço do Covid-19, aderiu à divulgação da campanha humanitária da Cufa Minas. A meta é auxiliar cerca de 3 mil famílias, localizadas em 150 favelas e periferias de Belo Horizonte e da região metropolitana, por meio do apoio financeiro e da doação de itens de higiene e cestas básicas, respeitando o mínimo de contato e a quarentena. As pessoas podem contribuir com qualquer valor, por meio de transferência bancária, financiamento coletivo ou comprando um ingresso solidário.

A distribuição funcionará da seguinte forma: as doações em dinheiro serão transformadas em vouchers na forma de QRCode, que serão distribuídos, via celular, aos moradores cadastrados na Cufa Minas. A família poderá trocar esse voucher por itens de cesta básica, produtos de limpeza, gás e materiais de higiene pessoal nos mercados cadastrados dentro das comunidades. A ação visa, ainda, contribuir para a manutenção dos pequenos negócios locais.

Outra iniciativa de destaque desenvolvida pela Cufa Minas é a realização de uma campanha educativa que sobre os cuidados necessários para evitar a propagação do novo coronavírus em vilas e favelas. A divulgação dessas informações será feita por meio das redes sociais, do WhatsApp e de carros de som.

A ação humanitária “Cufa Minas contra o vírus” conta, ainda, com lives, ações digitais, campanhas e conteúdos específicos de interesse das favelas, desenvolvidos em conjunto com os parceiros, como grandes instituições, artistas, professores, técnicos e influenciadores.

Outras informações sobre o projeto e doações podem ser feitas pelo site da Central: www.cufaminas.org.

Postagens Recentes