Atividades paralisadas, lojas fechadas, redução no fluxo de pessoas nas ruas são algumas das medidas que surgiram com o isolamento social instituído em virtude da contenção do novo coronavírus (Covid-19). Diante desse cenário, os consumidores de Belo Horizonte estão menos predispostos às compras. É o que aponta o índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), que registrou 93 pontos em abril, uma variação de 0,9 pontos percentuais (p.p.) em relação ao apurado em março (93,9). O ICF é elaborado pela Fecomércio MG, com dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Diante desse cenário, o indicador permanece no nível de insatisfação em termos de emprego, renda e capacidade de consumo, ficando abaixo da linha dos 100 pontos. “Estamos vivenciando um momento inesperado por toda a população, portanto, é comum que as famílias evitem fazer compras. É um cenário de cautela para a maioria das pessoas, que aguardam definições econômicas e sociais sobre o Covid-19,” destaca a analista de pesquisa da Fecomércio MG, Letícia Marrara.

O resultado mensal foi influenciado pela retração de quatro itens que compõem o ICF: emprego atual (de 119,6 pontos em março para 116,0 em abril), perspectiva profissional (de 103,6 pontos para 103,0), acesso ao crédito (de 95,6 pontos para 94,3) e intenção de consumo de bens duráveis (de 64,3 para 63,7).

A analista de pesquisa da Federação acredita que o consumidor se mostra mais receoso, pois tanto os rendimentos atuais quanto a perspectiva profissional apresentam resultados inferiores em relação à março. “Esses percentuais refletem que o consumidor prefere não se comprometer com a aquisição, principalmente, de bens duráveis e semiduráveis. A atitude, somada a paralisação de atividades, inviabiliza a intenção de compra e impacta no faturamento das empresas do comércio na capital mineira”, avalia.

Já os itens que apresentaram crescimento foram a renda atual (de 106,7 pontos para 108,1), a perspectiva de consumo (98,5 para 99,7) e o nível de consumo (66,4 pontos para 68,8). A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) é um indicador capaz de medir, com precisão, a avaliação que os consumidores fazem, mês a mês, sobre aspectos relacionados à condição de vida de sua família, tais como a capacidade e qualidade de consumo atuais e de curto prazo, o nível de renda doméstico e a segurança no emprego.

Postagens Recentes