Expectativas de emprego melhoram na capital mineira

Ouça o conteúdo

Dados da Fecomércio MG destacam que as famílias estão mais otimistas com o trabalho atual

Apesar de os consumidores de Belo Horizonte seguirem cautelosos em suas compras, os índices de emprego apresentam melhorias. Segundo a edição regional da pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurada pelo setor de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomércio MG), o índice de emprego atual assumiu em julho o valor de 112,7 pontos, resultado 2,5 pontos superior ao mês anterior.

O levantamento apurou que, para 30,1% das famílias, o nível de segurança em manter o emprego atual aumentou. Acompanhando este indicador, o índice de perspectiva profissional atingiu 94,1 pontos, 1,3 pontos maior ao obtido na última análise (92,8). Segundo o estudo, 42,1% dos entrevistados acreditam que o responsável pelo domicílio terá alguma melhora profissional nos próximos seis meses.

Para o analista de pesquisa da Fecomércio MG, Devid Lima da Silva, tal otimismo resulta da expectativa do aumento de vendas. “As datas comemorativas do segundo semestre favorecem o comércio e, geralmente, contribuem para o aumento significativo das vendas e movimento das lojas.  Para poder se adequar a este cenário, grande parte dos empresários investem no aumento do seu quadro de funcionários e em melhorias para os colaboradores, gerando mais oportunidades de emprego e crescimento profissional”, explica. 

Apesar da expectativa de melhores oportunidades de trabalho, o nível de consumo segue em queda. Em julho, o índice atingiu 54 pontos, resultado 2,6 pontos inferior ao obtido em junho. A pesquisa aponta que, de forma geral, 59,9% dos entrevistados estão comprando menos. Entre esses, 61,7% são famílias que recebem até dez salários mínimos.

No aspecto dos bens duráveis, o índice alcançou 17 pontos nesta avaliação, resultado superior ao último (16,7). No entanto, 91% dos entrevistados avaliam que atualmente é um mau momento para investir na compra de bens duráveis.

Confira, na íntegra, a pesquisa “Intenção de Consumo das Famílias (ICF) – Julho de 2022”