Turismo de Negócios e Eventos

O turismo no Brasil encerra o ano de 2012 com o crescimento de alguns indicadores econômicos. O setor de eventos é o 4º colocado na pauta de exportações do Brasil e cresce 7% ao ano, contribuindo com a geração de três milhões de empregos diretos e indiretos.

A realização de grandes eventos como a Jornada da Juventude, Copa das Confederações, seguidas pela Copa do Mundo de 2014 e pelos Jogos Olímpicos, surge como excelentes oportunidades para o setor de eventos.

Atualmente o país tem firmado parceiras entre atores responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento do país, investido em capacitação e qualificação dos serviços prestados, a fim de que todos os setores da cadeia produtiva do turismo se beneficiem das oportunidades de negócios que estão por vir.

O mercado, em nível mundial, sofreu fortes transformações, principalmente em decorrência da globalização. Com o advento da internet, o fenômeno da globalização passou a dominar também os negócios, nas suas diversas áreas. Com isso, o empresário que estiver mais bem preparado para lidar com esse novo mundo consequentemente poderá auferir maior quantidade de rendimentos.

O turista de negócios e eventos utiliza a internet em vários momentos da vida. Para decidir se determinado evento tem um público com mesmo perfil que o seu, para decidir qual hotel se hospedará, para verificar se o destino possui atrações interessantes e se vale a pena ficar mais um dia. Isso apenas falando no pré-evento. Quando o turista chega ao destino ele procura nas redes sociais onde comer, onde comprar, o que fazer nos momentos de folga entre uma palestra ou entre uma reunião e outra. E, para finalizar, o visitante utiliza a internet no pós-evento para dar um feed back sobre os serviços, o evento e o destino em geral.

Portanto é imprescindível que o empresário se adeque a esse novo mercado para tornar-se competitivo e ampliar os negócios. No comércio eletrônico tem-se uma máxima de que “no futuro existirão dois tipos de empresas: as que estarão na internet e as que estarão fora do mercado”.